Breaking Bad – S04E11 Review

*spoiler

De repente algo terrível acontece e toda a raiva reprimida que você sente sobre seu trabalho, seu casamento, sua própria existência, é lançada com uma fúria incontrolável. Alguns chamam isso de “ponto de ruptura”, outros chamam de “Breaking Bad”.

E bote fúria nisso. O episódio 11 da quarta temporada foi dessas coisas inquietantes que espelham a galopante e complexa sociedade norte-americana. E, sobretudo, o lado negro do ser humano – que em Walter White é um verdadeiro breu.

Minhas previsões.

Perceberam que os roteiristas estão tentando tirar o foco de Mike e chamar atenção para outros personagens? Mike, um dos personagens mais populares e importantes da trama, vai permanecer no hospital por uma semana, ou seja, fora dos três  episódios finais? Acho que não!

Tivemos episódios inteiros dedicados a Gus, ao Cartel, Ted, mas Mike?! Nada. Quem é a família de Mike? Quando e por que ele se aposentou como policial? Qual seria sua reação ao ouvir que Gus tem a intenção de matar a filha de Walt, um bebê, e o filho deficiente, ou mesmo Hank, um policial honesto tecnicamente? Gus foi um grande personagem, mas sua hora chegou. Tenho fé que vão dar um jeito de matá-lo

Existem muito poucos cenários diferentes em termos de detalhes, mas o que parece claro é que Mike é grande parte da resolução final desta temporada

Algumas observações sobre o episódio mais épico de todos desde aquele em que Tony Soprano matou Chris.

1-    Se os Coen fizessem uma série, seria algo parecido com esse episódio. Tudo nele remete a Fargo.

2-    Ted morreu mesmo? Uma das teorias diz que ele faz parte de um plano maior.

3-    Saul será o único sobrevivente? Como Mr.Pink em Cães de Aluguel?

4-    E o “a-team” de Saul?

AMÉN, BRODA! Espero só crueldade agora.

Anúncios