Mad Men S05E07 – A infância perdida de Sally Draper

*SPOILER médio

Don, Megan, os pais de Megan e Sally vestidos a rigor, inertes como cera sob luzes fortes e tomados pela presença de um Deus vigilante.Esta é a imagem que define o sétimo episódio da quinta temporada de Mad Men. Algo se rompeu neste momento e um precedente de possíveis desacordos se firmou.

Heinz

O enredo central deste episódio foi, naturalmente, a ideia que Megan teve para a Heinz. Mais do que uma ideia, Megan salvou a conta e, pela primeira vez, demonstrou que pode ser a parceira ideal de Don – ainda estou chocada com essa possibilidade e torço pela morte da personagem.

Sally Draper

Mas nada foi tão sutil e crucial quanto o texto de Sally, que protagonizou os três momentos mais mágicos da temporada. É incrível como os roteiristas estão lidando bem com o ritual de passagem da menina para a adolescência. Eis os três:

  1. Quando ela aparece toda adolescente montada no make e na botinha e Don manda Sally de volta à infância com uma reação machista típica, mas que se justifica plenamente nessa fase: “tire as botas e a maquiagem”. A cena foi PERFEITA e introduz a transformação que está por vir.
  2. A reação de Sally ao presenciar um bola-gato durante a festa de premiação do pai.
  3. O momento que define o crescimento forçado de Sally: quando o garçom pergunta se ela terminou de beber seu Shirley Temple. O “sim” trágico revela o lado sombrio de um glamour triste e degradante escondido a portas fechadas. Na sequência, um longo silêncio, com todos frustrados em algum ponto.

Essa poderia ser a cena final, mas Mad Men é sempre surpreendente. O fim vem com o telefonema do ser mais esquisito desse elenco – o vizinho assustador, agora maior, vestido num shorts horrível – que pergunta para Sally: “Como é a cidade?” A resposta ainda me emociona.

Anúncios